Seminário Básico Conteúdo

COMUNICADO IMPORTANTE

Este material foi desenvolvido pelo PDG Manoel Messias Mello para ser aplicado no Distrito LC-8. Estará disponível neste site para que os Associados do Distrito LC-8 possam fazer uso do conteúdo na realização dos Seminários Básicos.

Para utilização deste material fora do distrito LC-8 é necessária autorização do autor e do Distrito. Clique aqui para obter a autorização.

1.    PREÂMBULO
2.    TEMA E ORGANOGRAMA DO SEMINÁRIO
3.    DESENVOLVIMENTO DO SEMINÁRIO
3.1    MÓDULO 1 – CLUBE ORGANIZAÇÃO: TEXTO BÁSICO
3.2 MÓDULO 2 –CAMPANHAS E EVENTOS: TEXTO BÁSICO
3.3 MÓDULO 3 – MOTIVAÇÃO: ORIENTAÇÕES GERAIS
4.   VISÃO, MISSÃO, PROPÓSITOS E CÓDIGO DE ÉTICA

PREÂMBULO

Durante a realização da 4ª Reunião do Conselho Distrital AL 98/99, foi aprovada a realização de seminários regionais de liderança voltados aos associados do Distrito LC-8 , como forma de difundir a todos os conhecimentos leonísticos.

Neste ano leonístico, dando continuidade aos trabalhos, o CL Governador estatuiu a realização de seminários do nível 1 e do nível 2. A escolha do palestrante deve recair sobre os

Ex-Governadores, Leões que freqüentaram com sucesso o “Seminário treine um Líder” (ou oInstituto de Preparação de Instrutores de LCI) e os assessores distritais de liderança.

Em cada evento compete ao CL Governador escolher, dentre os habilitados, o(a) Leão – treinador(a) para cada região, sendo que os seminários serão realizados, simultaneamente, em todas as regiões do Distrito LC-8.

O objetivo do seminário nível básico é permitir aos participantes a construção de conhecimentos sobre o Leonismo, a fim de preparar melhor o(a) Companheiro(a) no exercício de seus direitos e deveres no movimento.

O público alvo do seminário nível básico são os(as) associados(as) aos Lions Clubes preferencialmente com até 3 anos de ingresso no Movimento Leonístico. A duração do seminário para este nível será de 4 horas/atividade.

Estaremos apresentando a presente cartilha do seminário nível básico visando apoiar a ação dos Leões-treinadores durante sua realização, fornecendo assim um material que possa ser utilizado também pelos associados participantes. Obviamente que não se tem à pretensão de esgotar o assunto, entretanto o conteúdo pode ser um bom começo para aprimorar o saber leonístico.

TEMA E ORGANOGRAMA DO SEMINÁRIO

1. TEMA DO SEMINÁRIO NÍVEL BÁSICO:

O CLUBE – CÉLULA MATER DO LEONISMO

2. ORGANOGRAMA DO SEMINÁRIO:

organigramaseminario

ESTRUTURA DO SEMINÁRIO NÍVEL BÁSICO

estrutura01

estrutura-ii

DESENVOLVIMENTO DO SEMINÁRIO
MÓDULO 1 – CLUBE ORGANIZAÇÃO: TEXTO BÁSICO

1.    ESTATUTOS DO CLUBE

O conhecimento dos Estatutos de seu Clube possibilita conhecer a estrutura do Clube e seus direitos e deveres para com sua Organização. É nele que se encontra a base da convivência dos associados a um Lions Clube. Aliados à Visão, Missão, Propósitos de Lions Clubes e o Código de Ética do Leão, representa importante fonte de conhecimento leonístico e a base para uma convivência fraterna e com companheirismo. O desconhecimento destes alicerces basilares do leonismo leva ao descontrole e ao desentendimento, muitas vezes motivados por questões de pouca importância. Este desconhecimento é também causa relevante de perda de associados em nosso Movimento.

Os Estatutos representam instrumento que vincula os seus associados ao Clube e o seu Clube à Associação Internacional, assegurando direitos e deveres iguais a todos os Leões.

1.1.    Elaboração dos Estatutos do Clube

A Associação Internacional de Lions Clubes recomenda que seja utilizado pelo Clube o Modelo Oficial de Estatutos e Regulamentos. Os Clubes que não possuírem seus Estatutos, como os clubes recém fundados, serão regidos pelo Modelo Oficial da Associação.

Sua elaboração deve ser realizada por uma comissão previamente designada pelo Presidente do Clube. Após a elaboração, a projeto do Estatuto do Clube deve ser aprovado pela Assembléia Geral, convocada especialmente para tal finalidade.

1.2 Conteúdo

O Modelo Oficial de Estatuto e Regulamentos para Lions Clubes da Associação Internacional de Lions Clubes fornece a seguinte estrutura de tópicos:

Estatuto:

•    ARTIGO I – Do  Nome, Slogan e Lema
•    ARTIGO II – Dos Propósitos
•    ARTIGO III -  Dos Sócios
•    ARTIGO IV - Da Perda do Título de Sócio
•    ARTIGO V -  Do Número de Sócios de Clubes
•    ARTIGO VI - Do Programa de Núcleos
•    ARTIGO VII - Dos Dirigentes
•    ARTIGO VIII - Da Diretoria
•    ARTIGO IX – Dos Delegados às Convenções Internacionais e de Distrito
•    ARTIGO X – Da Resolução de Disputas
•    ARTIGO XI - Das Emendas

Regulamento:

•    ARTIGO I - Dos Sócios
•    ARTIGO II - Dos Dirigentes
•    ARTIGO III - Das Reuniões e Quorum
•    ARTIGO IV - Das Eleições e Vagas
•    ARTIGO V - Das Jóias e Quotas
•    ARTIGO VI - Da Administração de Núcleos
•    ARTIGO VII – Das Comissões
•    ARTIGO VIII – Das Práticas Parlamentares
•    ARTIGO IX – De Assuntos Diversos
•    ARTIGO X – Das Emendas
•    APÊNDICE A – CATEGORIAS DE SÓCIOS

Nota: A terminologia “SÓCIO” deve ser substituída no Brasil por “ASSOCIADO” em decorrência das alterações no Código Civil Brasileiro.

Ao mergulhar no conteúdo dos Estatutos e Regulamentos, o associado poderá observar que a rotina de seu Clube e as relações leonísticas dos dirigentes, associados e organização está plenamente recomendada.

1.3 Registro do Estatuto

Após a aprovação em Assembléia do Clube, o Estatuto deve ser registrado no Cartório Civil das Pessoas Jurídicas de seu Município. Vale lembrar que imediatamente após a adoção pelo Clube, uma cópia permanente destes Estatutos e Regulamentos deverá ser colocada pelo Secretário do Clube em seu Arquivo de Registros.

1.4 Alterações

As alterações nos Estatutos se dão através de emendas. Poderão ser feitas emendas ao Estatuto, em qualquer reunião ordinária ou extraordinária do Clube, em que haja quorum, com o voto de dois terços (2/3) dos associados presentes, com a condição de que a diretoria tenha discutido previamente os méritos da emenda.

Vale dizer que nenhuma emenda será submetida à votação a menos que se tenha comunicado a todos os sócios do Clube, por escrito, pelo menos com duas semanas de antecedência qual a emenda proposta e a reunião em que a mesma será votada.

2.    DIRETORIA

A Diretoria do Clube constitui o seu corpo executivo e, por meio de seus dirigentes, será responsável pela execução das normas aprovadas pelo Clube. Todos os assuntos e programas de ação do Clube serão primeiramente discutidos e preparados pela diretoria para apreciação aos sócios e aprovação dos mesmos em reunião ordinária ou especial.

Compete a Diretoria do Clube autorizar todas as despesas. A Diretoria não poderá contrair alguma que exceda a receita do Clube e não autorizará nenhum desembolso para fins que sejam incompatíveis com os assuntos e o programa de ação patrocinados pelo quadro social.

A Diretoria tem o direito de modificar, anular ou revogar a ação de qualquer dirigente do Clube, entretanto, não autorizará nem permitirá o uso para fins administrativos da renda líquida de campanhas ou atividades do Clube, para as quais os fundos tenham sido angariados do público.

A Diretoria designará, segundo recomendação da Comissão de Finanças, um banco ou bancos para o depósito dos fundos do Clube; determinará a garantia necessária para a fiança de qualquer dirigente e manterá pelo menos duas contas bancárias separadas e governadas por métodos de contabilidade comumente aceito. A primeira conta-corrente para depositar fundos administrativos tais como quotas, multas do diretor animador e outros fundos levantados internamente pelos associados ao Clube. A segunda conta deverá ser estabelecida para depositar dinheiro para atividades ou para o bem-estar público levantado através do apoio público, podendo ser uma conta-poupança.

Compete à Diretoria indicar e nomear, sujeito à aprovação do quadro social, os delegados e suplentes do Clube às convenções distritais e internacionais.

1.1    Eleição

Os dirigentes do Clube, com exceção do ex-presidente imediato, são eleitos obedecendo a uma seqüência de atos contidos em seus Estatutos.

No mês de março de cada ano, em data e local determinados pela diretoria, será marcada uma reunião para a indicação dos candidatos, sendo necessário convocar para este fim, todos os sócios com antecedência mínima de dez dias.

O Presidente nomeia uma comissão para indicar os nomes dos candidatos aos vários cargos na diretoria do Clube, apresentando-os ao Clube no dia da reunião. Nessa oportunidade, todos os sócios poderão, também. Propor candidatos para os cargos a serem preenchidos no ano seguinte.

Se no ínterim entre a sessão de indicações e a das eleições, algum dos candidatos indicados estiver impossibilitado, por qualquer razão, de servir ao Clube no cargo para o qual tenha sido indicado e para cujo cargo não haja outra indicação, a comissão de indicações deverá propor no dia da eleição outros candidatos para aquele posto.

A reunião para eleição deverá ser realizada o mais tardar até 15 de abril de cada ano, em hora e local determinados pela diretoria e comunicados pelo secretário a cada sócio, por escrito, com duas semanas de antecedência. Esta comunicação deverá incluir os nomes de todos os candidatos escolhidos na sessão de indicações realizada anteriormente e deverá incluir também uma declaração esclarecendo que a votação se limitará aos referidos candidatos e que nenhuma indicação poderá ser feita pelos sócios na reunião de eleições.

Todos os dirigentes serão eleitos anualmente e tomarão posse em 1º de julho, e exercerão o mandato por um ano, ou até que seus sucessores tenham sido eleitos e qualificados.

Vale lembrar que em muitos Clubes adota-se a eleição somente do presidente, que após sua eleição apresenta na Assembléia os demais componentes de sua diretoria, excetuando-se o ex-presidente imediato, 1º, 2º e 3ºVice-Presidente.

É comum a adoção de eleição automática do 1º Vice Presidente e conseqüente eleição de um 3º Vice-Presidente, elevando-se automaticamente o 2º e 3º Vice-Presidente ao cargo imediato. Esta prática, quando adotada, proporciona uma melhor preparação do Presidente do Clube para o exercício de seu cargo.

Entretanto, é necessário lembrar que os Estatutos de Lions Clubes Internacional proíbem a eleição por aclamação. Desta forma é correto que mesmo com candidato único à presidência, haja a eleição com cédulas.

Todas as formas podem ser convencionadas nos Clubes e prevista em seus Estatutos. A eleição da Diretoria deve representar um momento todo especial para seus membros, pois lhes surge a oportunidade de exercerem sua liderança na plenitude do sucesso.

2.1.2 Dirigentes

Somente os associados ativos que estejam em dia com suas obrigações serão elegíveis para ocupar cargo no Clube. Nenhum, dirigente receberá compensação alguma por serviços prestados ao Clube.

Lembre-se que nosso serviço é voluntário e deve fluir de dentro de nossos corações diretamente a nosso companheiro ou a nosso próximo.

1.2    Composição da Diretoria

A diretoria de um Clube é formada no mínimo por 13 (treze) associados ativos que preencherão os cargos previstos no Estatuto Padrão de Lions Clubes Internacional. Assim os membros da diretoria serão: Presidente; Secretário; tesoureiro; Ex-Presidente Imediato;1º Vice-Presidente; 2º Vice-Presidente; 3º Vice-Presidente; Diretor Social; Diretor Animador; 2 Diretores Vogais (primeiro ano); 2 Diretores Vogais (segundo ano) e Diretor de Associados.

O Presidente poderá nomear assessores especiais ou adjuntos para os cargos que entender necessário, desde que referendados pela Assembléia do Clube.

Os dirigentes de clube têm disponibilizado na página-web ao início de mandato um manual de Lions Clubes Internacional, contendo todas as explicações pertinentes à função de dirigente (Manual de Dirigente de Clube, arquivo la15.pdf). São orientações úteis que possibilitam o sucesso do dirigente.

Durante a realização da Convenção Distrital ou em data marcada pelo Governador do Distrito, são realizadas as Escolas de Dirigentes , mormente para os presidentes eleitos, secretários, tesoureiros e diretores sociais dos Clubes. Estes seminários para dirigentes constituem uma excelente oportunidade para que o associado eleito para cargo diretivo em seu Clube possa receber orientações importantes relativas às suas atividades, tomando conhecimento das metas da Governadoria e, se familiarizando com as suas novas funções.

1.3    Funcionamento da Diretoria

A diretoria realizará reuniões ordinárias mensalmente em hora e local determinados pela mesma. Poderá realizar reuniões especiais quando convocadas pelo presidente ou por solicitação de cinco ou mais membros da diretoria, em hora e local determinados pelo presidente.

A maioria dos membros da diretoria presente numa reunião constituirá quorum. Exceto quando previsto especificamente de outra forma, os atos de uma maioria dos membros da diretoria, presentes a qualquer reunião da mesma, representarão os atos e decisões de toda diretoria.

A diretoria submete todos os assuntos concernentes a novos programas e a novas diretrizes às respectivas comissões permanentes ou especiais do Clube para estudo e recomendação à diretoria. Esta é uma prática que os Clubes tem abandonado. Na verdade as Comissões tem fundamental importância na vida do Clube. Deve todos os assuntos pertinentes a programas e diretrizes serem submetidas às comissões. Após tal procedimento, a diretoria discutirá a recomendação da respectiva comissão, adotando-a ou não.

Todos os problemas pertencentes a assuntos administrativos ou de atividades são encaminhados à comissão correspondente para estudo e recomendação à diretoria.

Esta sistemática de funcionamento envolve os membros do Clube nas decisões das atividades do Clube, posto que teoricamente é recomendado que todos os sócios do Clube faça parte de uma Comissão. Esta participação, mesmo que indireta, nos destinos do Clube reflete na motivação do sócio, levando-o a se sentir importante no processo.

Desta forma, a diretoria democrática, e que cumpre as normas estatutárias nesta questão, contribui sobremaneira para a cumplicidade dos associados com nosso lema “nós servimos”.

2.    Comissões

As comissões têm papel fundamental na vida do Clube. São elas compostas por sócios do Clube e recomendam à diretoria sobre assuntos importantes que interfere nos destinos do Clube.

Lions Internacional recomenda as seguintes comissões permanentes que podem ser nomeadas pelo presidente, com exceção dos membros e do presidente da comissão de associados, que são eleitos:

a.    Comissões Administrativas

de Freqüência
de Estatutos e Regulamentos
de Convenção
de Finanças
de Informática
de Instrução Leonística
de Associados
de Programas
de Relações Públicas
de Publicações de Boletim
de Recepção
de Preparação de Líderes

b.    Comissões de Atividades

de Oportunidades Leonísticas para Jovens
de Conscientização Acerca de Diabetes
de Conservação da Visão e Trabalho com os Cegos
de  Atividades de Audição e Logopedia e Trabalho com os Surdos
de Preservação do Meio Ambiente
de Programa de LEO Clube
de Programas de Acampamento e Intercâmbio Juvenis
de Programas do Lioness Clube
de Relações Internacionais

c.    Outras Atividades do Leonismo

Civismo
Serviços Pró-Educação
Serviços de Bem –Estar e Saúde
Serviços Sociais
Serviços Recreativos
Serviços Públicos

Observe que as Comissões recomendadas estão intimamente ligadas as principais atividades desenvolvidas pelos Lions Clubes e refletem os serviços prioritários da Associação Internacional de Lions Clubes. Daí, fácil concluir que os Clubes devem observar com mais atenção estas orientações, pois assim sendo, estará pactuando e se comprometendo com os reais objetivos de nosso movimento.

Em certas ocasiões, o presidente poderá nomear, com a aprovação da diretoria, tantas comissões especiais quantas forem necessárias em sua opinião ou na opinião da diretoria.

Vale lembrar que o presidente será membro “ex-offício” de todas as comissões. As comissões serão compostas de um presidente e número de membros que o presidente do Clube considerar necessário. Cada presidente de comissão apresentar mensalmente um relatório verbal ou escrito à Diretoria.

As comissões se reunirão sempre que algum assunto ou tema tenha que ser deliberado para recomendação à Diretoria.

2.1    Comissão de Associados: peculiaridades

A comissão de associados obedece a critérios diferentes de eleição e quanto ao número de participantes, haja vista que o presidente não pode deliberar livremente quanto ao número de membros.

A comissão de associados será composta de três membros eleitos para uma gestão de três anos. Inicialmente serão eleitos três membros. Um membro servirá por um ano, o segundo membro por dois anos e o terceiro, por três anos. Subseqüentemente, será eleito um membro a cada ano. Cada membro servirá por três anos contínuos num sistema de rotação. De modo que, o membro que estiver servindo no primeiro ano será designado membro da comissão, o membro que estiver servindo no segundo ano será o vice-presidente da comissão e o membro que estiver servindo no terceiro ano será seu presidente e também diretor de sócios, membro da diretoria do clube.

Finalmente é oportuno frisar que a Associação Internacional de Lions Clubes edita anualmente um manual explicativo destinado aos dirigentes de clube e disponível na forma de arquivo pdf para consulta ou impressão na página de LCI: http://www.lionsclubs.org.

3.    Reuniões do Clube: formas, quorum, freqüência, e duração

O clube se reúne de duas formas: ordinária e extraordinária. As reuniões ordinárias são aquelas previstas em calendário do Clube que mantém regularidade de tempo em sua realização. Extraordinária caracteriza aquelas reuniões convocadas para determinadas finalidades e que não constam do calendário anual do Clube. Poderíamos citar também as reuniões especiais convocadas para comemoração da carta constitutiva e de transmissão de posse de diretoria.

O presidente poderá convocar sessões extraordinárias quando as considerar necessárias e quando solicitadas pela diretoria, em data e local determinados por quem as convocar. As comunicações para as sessões extraordinárias, indicando data, local e finalidade, deverão ser feitas a todos os sócios, por escrito, pelo menos com dez dias de antecedência.

Todos os anos o clube poderá realizar uma reunião para comemorar o aniversário da entrega da carta constitutiva, durante a qual dedicará atenção especial aos objetivos, código de ética do leonismo e aos antecedentes históricos do clube. No mês de junho de cada ano deverá ser realizada uma reunião anual, em data e local determinados pela diretoria, durante a qual serão lidos os relatórios finais dos dirigentes que terminam seus mandatos e será dada posse aos dirigentes recém-eleitos.

O quorum para toda reunião do clube será constituído pela presença da maioria dos associados ao clube que estejam em dia com suas obrigações. O associado que deixar de cumprir com suas obrigações pecuniárias para com o clube dentro de 60 dias da data em que tenha sido notificado pelo secretário, não será considerado “em dia” e assim permanecerá até que todo seu débito seja liquidado. Somente os sócios que estiverem em dia com suas obrigações poderão exercer o privilégio do voto e ocupar cargo no clube. Exceto quando previsto de outra forma, os atos da maioria dos sócios do clube, presentes a qualquer reunião, representarão os atos e decisões de todo o clube.

Não existe freqüência máxima prevista para realização das reuniões ordinárias do clube, entretanto o clube deve se reunir regularmente não menos que duas vezes por mês, em data e local recomendados pela diretoria e aprovados pelo clube. Exceto quando previsto de outra forma as comunicações para as reuniões ordinárias serão feitas na forma que a diretoria julgar adequada.

Observação importante quanto às reuniões refere-se aos horários e tempo de duração. Todas reuniões deverão começar e terminar pontualmente nos horários estabelecidos. Esta pratica estimula os associados a chegarem no horário e não transforma a reunião em algo estafante. Reunião mal preparada e muito longa representa um dos maiores motivos de baixa de associados.

4.    Reuniões do Clube: Dinâmica

Uma reunião ordinária agradável deve observar algumas regras básicas: o presidente da sessão fala pouco, os assuntos da pauta devem ser interessantes, os discursos curtos pautando pela praticidade e objetividade, e finalmente, duração não mais que uma hora e trinta minutos. Para tanto é necessário que os dirigentes do clube (presidente, secretário, tesoureiro, diretor de associados, diretor social) preparem com antecedência os seus respectivos expedientes, resumindo ao máximo os comentários e leituras. É necessário também que as comissões tenham se reunido previamente para delimitar o que é importante ser levado a Assembléia.

Assim, propomos um roteiro para Assembléias Gerais Ordinárias, que pode sofrer as adaptações necessárias a cada situação prática, representando uma dinâmica para reunião de clube.

ROTEIRO PARA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA
INÍCIO: 19:30H.
TÉRMINO: 21:00 H.

roteiro-assembleia

MÓDULO 2 – CAMPANHAS E EVENTOS: TEXTO BÁSICO

Disse Melvin Jones que “enquanto um homem na terra, ao chegar a noite, não tiver um local digno para repousar, justificar-se-á a existência de um Lions Clube”.

Muitas vezes nos perguntamos porque pertenço ao Lions Clube. Várias respostas surgem. Uma delas nos ressoa um certo ar de orgulho: pertenço ao maior e melhor Clube de serviço do mundo. Logo a seguir ouvimos que estou no Lions para servir ao próximo, fazer amizade e viver o companheirismo.

Entretanto é necessário transformar nossos sentimentos em relação ao Lions em ações concretas que nos leve a satisfação de nossas emoções e sentimentos. Reafirmar nossos pensamento em relação ao Lions Clube é exteriorizar com ações concretas tudo aquilo que desejamos para o nosso Movimento.

As Campanhas eventos para um Clube de Lions e para seus sócios representam o motor que impulsiona, que movimenta, que dá vida ao próprio Clube, ao sócio e a Associação, pois representa a ação concreta dos leões em torno de nosso lema “Nós Servimos”. A ausência de campanhas, ou eventos programados e executados pelos Lions Clubes é um pressuposto certo de fragilidade e insucesso do Clube.

Lembro a todos uma frase que anotamos lendo uma reportagem de Eunice Mendes que pode demonstrar o risco da preclusão de nossas oportunidades: “somos responsáveis pela imagem que criamos de nós mesmos. É importante porque nem temos a oportunidade de causar uma segunda boa impressão. Palavras, gestos e atos formam a ‘cara social’ de um indivíduo, uma espécie de outdoor daquilo que representamos para a comunidade”.

O que é uma Campanha? Podemos definir a Campanha como um conjunto de esforços dirigidos a um fim determinado ou o fim determinado ou empenho continuado para conseguir alguma finalidade dentro de um certo limite de tempo e recursos.

Vejam que a definição nos trás várias reflexões sobre a participação em nosso Clube. Não são trabalhos personalíssimos. A frase de Claudius de Barros representa um marco significativo para o fortalecimento do grupo. Diz que: “as grandes conquistas sé serão conseguidas quando houver pequenos esforços de todas as pessoas, grandes conquistas jamais serão conseguidas através de grandes esforços de poucas pessoas”.

Como realizar uma Campanha?  Muitas vezes criam-se inúmeras dificuldades para levar adiante propostas de realização de campanhas sob as mais variadas desculpas. Luís Marins disse com muita propriedade que “quem quer cria condições e recursos; quem não quer cria desculpas e dificuldades”. È importante falarmos um pouco sobre esta questão.

O Companheiro, ou Companheira, ou Domadora deve se colocar à disposição para o serviço e aceitar o desafio. A participação efetiva é de suma importância para o sucesso de qualquer empreendimento. O Lions Clube tem que ser uma organização atuante, moderna e competitiva. Para tanto é necessário observar alguns aspectos que passamos a enumerar:

a.    o capital humano esteja comprometido com os objetivos de Lions Clubes Internacional
b.    a filosofia leonística seja praticada como um direito a cidadania
c.    haja espírito empreendedor e se integrem às mudanças
d.    a liderança seja compartilhada
e.    exista flexibilidade e integração entre os sócios, comunidade e parceiros

1.    Discussão no Clube

O primeiro passo para levar adiante uma campanha é levantar a necessidade da comunidade ou da entidade a ser assistida, levantar o objetivo da Campanha e discuti-la no Clube. Vale lembrar que objetivo é saber o que se pretende com a Campanha. Para que ela será realizada e onde queremos chegar com tal realização.

A comissão responsável pela campanha realizará estudos preliminares sobre a finalidade e objetivos da Campanha e recomenda à diretoria sua realização ou não. Compete a Comissão analisar cuidadosamente as necessidades da comunidade, o projeto da campanha, sua organização e definir metas e os meios a serem utilizados. A Diretoria analisa a recomendação aprovando ou não seu conteúdo, analisando prioritariamente a viabilidade da execução, data, custos e compatibilidade com as metas da diretoria, governadoria e Lions Internacional.

Passadas estas etapas, o presidente deve levar a proposta à Assembléia Ordinária do Clube para discussão, votação e aprovação da realização da Campanha. Esta etapa é extremamente importante para que haja comprometimento de todos os sócios com a realização e o sucesso do empreendimento. Deve existir motivação para aceitação do desafio. Lembre-se que é necessário Ter habilidade para administrar decisões da Assembléia se houver voto contrário ao que foi programado pela Comissão de Diretoria.

2.    Realização

Aprovada pelo Clube a realização da Campanha, o presidente deve então retornar à comissão responsável delegando ao presidente da comissão para que a campanha seja viabilizada.

A realização de uma Campanha representa um processo e como todo processo é necessário vencer etapas. Assim a Campanha deve seguir as seguintes etapas: Planejamento, Execução e Avaliação.

2.1    Planejamento

A improvisação deve ser deixada de lado. Não é compatível com as capacidades individuais de nossos sócios. Assim para realização de campanhas é necessário observar alguns passos, dentre outros, nesta fase de planejamento:

a.    elaborar um plano de ação
b.    uniformidade de pensamentos dos sócios
c.    estabelecimento de prioridades
d.    divisão de tarefas
e.    nomeação de coordenadores setoriais
f.    busca de unanimidade de participação
g.    busca de parcerias
h.    divulgação na mídia escrita e falada
i.    estabelecimento de prazos de duração
j.    entrega imediata dos resultados ao beneficiário
k.    registar com fotos e filmes
l.    agradecimentos aos participantes, parceiros e sócios

Basicamente, nesta etapa, é importante estabelecer: o que será feito; como será feito; quando será feito; onde será realizado e quem fará.

Vale registar que muitas vezes os eventos falham por falta exclusiva de comunicação. Fale com cada um dos sócios sobre suas responsabilidades, sua importância e a função específica no evento. Ele irá corresponder na medida que se sentir importante para o sucesso da campanha e do respeito a ele dispensado.

2.2    Execução

Durante a execução o coordenador deve checar todos os pontos importantes e verificar se as tarefas foram adequadamente preparadas pelos responsáveis setoriais. É oportuno prever formas alternativas que possam ser utilizadas em caso de problemas surgirem durante o processo de execução.

Na execução é necessário acompanhar todos os passos, cuidando da recepção de convidados, parceiros e autoridades leonísticas ou não.

Ao final, não se esqueça de agradecer aos convidados e tratá-los com gentileza e educação. Lembre-se que ele é um colaborador e nós iremos novamente procurá-lo no próximo evento.

Não se esqueça da ação do rescaldo. Este é o momento mais difícil, pois todos estarão cansados e, às vezes, somente alguns permanecem, criando clima de discórdia entre os associados.

Se for possível, confraternize-se ao final com todos os associados pelo sucesso. A proximidade entre seres humanos ainda é a melhor maneira de se tornar um cúmplice do outro.

Se a campanha tiver fins de arrecadação de fundos para entidade(s), não se esqueça de nomear e respaldar a ação de um tesoureiro da campanha.

3.1    Avaliação

É muito importante marcar uma reunião de avaliação para discussão dos erros e acertos da campanha. Muitas vezes as experiências se perdem no tempo e nos proporcionam retrabalhos. Para tanto faça um relatório desta reunião e guarde para utilização em outras oportunidades.

Na avaliação é oportuno verificar se os objetivos foram atingidos, a repercussão da campanha no Clube e na comunidade. Aproveite a oportunidade para discutir idéias e opiniões entre os sócios e absorva conhecimentos que possam definir o que deve ser feito na próxima campanha e o que não deve ser feito. Nós aprendemos muito com os erros.

A avaliação é o caminho mais seguro para o aperfeiçoamento de nossas atividades de prestação de serviço. Não se magoe com as críticas. É oportuno não deixar fluir muito tempo para a realização desta reunião de avaliação, pois muitos pontos se evaporam com o decorrer dos dias e se perdem da percepção dos associados.

3.    Destinação dos Recursos

Finalizado o balancete do resultado apurado na campanha, é necessário que se proceda imediatamente à destinação do recurso arrecadado. Para tanto é oportuno lembrar que é recomendável que se decida previamente, antes da realização da campanha, para qual destinação o evento foi realizado. Da mesma forma, é necessário conhecer previamente a quem e qual o percentual da destinação.

Esta destinação deve ser dada a conhecer a todos os associados do clube e, se for possível, convidá-los para participar do ato de entrega ao destinatário.

4.    Prestação de Contas

A credibilidade de qualquer ato está na transparência das ações e na publicidade dos resultados. Não se trata de desconfiança no nosso movimento, mas é necessário dar amplo conhecimento de nossas atividades e campanhas, pois é essa publicidade que nos dará crédito perante novas investidas sociais. O ditado popular “não basta ser, é necessário parecer ser” retrata o cenário da sociedade moderna.

Assim é preciso realizar ampla prestação de contas dos resultados da campanha realizada pelo Clube. O associado precisa saber qual foi o resultado de seu esforço. Este é um belo e eficiente mecanismo de motivação.

Os nossos parceiros também precisam saber que sua contribuição foi multiplicada graças ao esforço de voluntários do servir desinteressado. É oportuno até mesmo convidá-los para uma reunião de prestação de contas. Esta seriedade pode até mesmo transformá-los em associados ao nosso clube.

A comunidade precisa conhecer os resultados, através da mídia, para que cada vez mais acredite nas ações dos Leões em prol da melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Finalmente a entidade assistida, ao receber sua parcela de benefícios, deve emitir recibos e registrar com fotos, os quais servirão de belas recordações do Clube e também como garantia documental de suas doações.

5.    Exemplos de campanhas

5.1  Sem fins de arrecadação de fundos à(s) entidade(s)

a.    Dia Mundial de Serviço Leonistico (08/10)

Os leões do mundo são incentivados a participar e patrocinar meios informativos que promovam esse acontecimento:
Hasteamento da Bandeira Nacional e Bandeira das Nações Unidas
Cerimônias Oficiais
Irmanação Internacional entre Clubes
Divulgação na Imprensa

b.    Intercâmbio Juvenil
Programa Cultural estada de 4 a 6 semanas, idade de 15 a 21 anos
Lions Clube patrocinador- encaminha o ovem- seleciona e presta assistência
Lions Clube anfitrião – recebe o jovem- aprova as famílias anfitriãs.

c.    Dia Mundial da Paz  (24/01)
Cartazes, trabalhos escolares
Momentos de meditação sobre a Paz em estabelecimentos Governamentais, Educacionais e Comerciais

d.    LEO Clube
Patrocinado por um ou mais Clube, jovens de 12 a 27 anos
Proporcionar aos jovens a oportunidade, através da Associação com os Leões, de se envolverem como indivíduos responsáveis e de mentalidade cívica
Criado desde 1967
O LEO realiza várias campanhas: acerca da AIDS . uso obrigatório de cinto de segurança,
LEO Júnior – pode ser patrocinado pelo LEO Clube – jovens de 8 a 12 anos.

e.    Meio Ambiente Natural Biológico
Combate a poluição atmosférica (ar, terra, ambiente sonoro, água)
Atividade de reciclagem
Conservação de energia
Preservação de animais selvagens

f.    Meio Ambiente Social e Ecológico
Planejamento demográfico
Adequados locais sanitários
Reserva segura e suficiente de água
Reflorestamento de árvores

g.    Conscientização Acerca de Drogas
Atividades de prevenção e de conscientização
Patrocínio de concursos de oratória, cartazes e de redação
Organização de grupos de pais
Distribuição de material informativo
Palestras em escolas e comunidades
Divulgação na mídia

h.    Programa especial do Lions-Quest
Habilidades para adolescentes
Ensina jovens de 10 a 14 anos habilidades dos quais necessitam para tomar decisões sobre as drogas e outros assuntos
Ensina em milhares de escolas, habilitando os professores

i.    Conscientização acerca de diabetes
Esclarecimento sobre diabetes, detecção precoce e apoio a pesquisas
Seminários para alertar aqueles que correm o risco de contrair a doença
Testes para detectar a retinopatia diabética

j.    Conservação da audição, logopedia e trabalho com os surdos

Informação ao público
Exame e diagnose
Serviços diretos e pesquisas
Aquisição de equipamentos de exame e detecção para escolas/clínicas e hospitais
Patrocínio de Unidade volante para exame e tratamento
Patrocínio de educação

k.    Conservação da visão e trabalho com os cegos, incluindo Sightfirst
exames clínicos feitos por oftalmologistas nas escolas, praças públicas e hospitais
promoção banco de olhos
coleta de óculos usados
palestras sobre cegueira
promover campanhas de cirurgias de cataratas

1.2    Com fins de arrecadação de fundos à(s) entidade(s)

a.    jantares beneficentes

b.    festa do cachorro quente

c.    bingos

d.    serestas

e.    festa do queijo e vinho

f.    barracas em festas comemorativas

g.    festa brasileira

h.    festa portuguesa

i.    festa italiana

j.    festa do bacalhau

k.    boi no rolete

Finalizando queremos citar algumas campanhas que realmente representa o lema:

“transformando mãos que pedem em mãos que trabalham” :

campanhas sobre civismo e cidadania
campanhas educação e cultura
adoção de crianças de rua – compromisso de acompanhá-los e mantê-los até a faculdade
emprego de 10 mulheres chefes de família por clube
preparação e encaminhamento de jovens ao trabalho
alfabetização de adultos
família substituta

Quando for preparar uma campanha em seu Clube, lembre-se de um provérbio chinês que nos enriquece:

“Se queres colher em curto prazo, plante cereais;
se queres colher a longo prazo, plante árvores frutíferas;
mas se queres colher para sempre,treine e eduque o homem”

NOVA MARCA LIONS

nova-marca

Visão da Associação Internacional de Lions Clubes

Ser o líder global em serviços comunitários e humanitários.

Missão da Associação Internacional de Lions Clubes

Dar poder aos voluntários para que possam servir suas comunidades e atender as necessidades humanitárias, fomentar a paz e promover a compreensão mundial através de Lions Clubes.

Propósitos da Associação Internacional de Lions Clubes

ORGANIZAR, fundar e supervisionar clubes de serviços a serem chamados de Lions Clubes.

COORDENAR as atividades e uniformizar a administração de Lions clubes.

CRIAR e fomentar um espírito de compreensão entre os povos da Terra.

INCENTIVAR os princípios do bom governo e da boa cidadania.

INTERESSAR-SE ativamente, pelo bem-estar cívico, cultural, social e moral da comunidade.

UNIR os clubes pelos laços de amizade, bom companheirismo e compreensão mútua.

PROMOVER um fórum para a livre discussão de todos os assuntos de interesse público, excetuando-se, entretanto, o partidarismo político e o sectarismo religioso, que não serão debatidos pelos associados no clube.

INCENTIVAR as pessoas bem intencionadas a servir a suas comunidades sem benefício financeiro, estimular a eficiência e promover elevados padrões éticos no comércio, na indústria, nas profissões, nos serviços públicos e nos empreendimentos particulares.

Código de Ética dos Leões


DEMONSTRAR
fé nos méritos da minha profissão esforçando-me para conseguir honrosa reputação mercê da excelência dos meus serviços.

LUTAR
pelo êxito e pleitear toda remuneração ou lucro que, eqüitativa e justamente mereça, recusando, porém, aqueles que possam acarretar diminuição de minha dignidade, devido à vantagem injusta ou ação duvidosa.

LEMBRAR
que, para ser bem sucedido nos negócios ou empreendimentos, não é necessário destruir os dos outros. Ser leal com os clientes e sincero consigo mesmo.

DECIDIR contra mim mesmo no caso de dúvida quanto ao direito e a ética de meus atos perante meu próximo.

PRATICAR a amizade como um fim e não como um meio. Sustentar que a verdadeira amizade não é o resultado de favores mutuamente prestados, dado que não requer retribuição, pois recebe benefícios com o mesmo espírito desinteressado com que os dá.

TER sempre presente meus deveres de cidadão para com a minha localidade, meu Estado e meu País, sendo-lhes constantemente leal em pensamento, palavras e obras, dedicando-lhes, desinteressadamente, meu tempo, meu trabalho e meus recursos.

AJUDAR
ao próximo, consolando o aflito, fortalecendo o débil e socorrendo o necessitado.

SER comedido na crítica e generoso no elogio, construir e não destruir.